Novembro é um mês muito especial porque é o meu mês! E neste mês tão especial o Di-Frent volta a carga com toda a informação que precisam para ficarem a saber tudo sobre os melhores alimentos do mês.

Novembro não é um mês de muitas novidades mas é certamente um mês de muita oferta. As novidades mais fresquinhas deste mês são as primeiras anonas, os primeiros kiwis, os pinhões tão deliciosos e tãoooooooo caros e a rutabaga. E este mês também nos dá o prazer de continuar a saborear as castanhas, os meus tão amados dióspiros, as pastinacas e a chicória.

Pode parecer estranho estar a falar sobre estes alimentos que vocês já encontram nos supermercados à tanto tempo, mas quando falo no mês em que aparecem os alimentos, refiro-me a alimentos provenientes de agricultura biológica, que respeitam o ciclo natural de cultivo e colheita do alimento, pelo bem da saúde do planeta e de todos nós.

Por isso aqui fica uma lista de todos os alimentos disponíveis neste mês de Novembro, com destaque para os alimentos mais recentes e para os alimentos mais interessantes e diferentes deste mês.

Alimentos do mês de Novembro

1. AIPO

Fresco e aromático, agora que já chegou o outono temos aipo com fartura e em 2 versões: as folhas de aipo e a raiz de aipo. A raiz de aipo ou aipo bola é um alimento ainda pouco utilizado na culinária portuguesa, mas já está na altura de se tornar num substituto mais fresco e mais delicioso da nossa tradicional batata. Saibam tudo sobre a raiz de aipo neste artigo do Di-Frent e deliciem-se com uma sopa cremosa de raiz de aipo, uns raviolis de aipo bola ou uns palitos de aipo bola fritos em azeite. 

2. CHICÓRIA

A chicória é uma planta de folhas verdes, muito semelhante à alface, com um sabor ligeiramente amargo. A chicória actua como um laxante natural pois contém inulina, um tipo de fibra vegetal que pode auxiliar a aliviar o desconforto da prisão de ventre e a regularizar os níveis de açúcar no sangue. A chicória é utilizada crua em saladas ou sumos, mas também pode ser cozinhada em sopas ou em guisados.

3. CHUCHU

O chuchu é o substituto perfeito da courgette que nos vai abandonar brevemente. De sabor neutro e com pouquíssimos hidratos de carbono, o chuchu ainda tem várias vitaminas, mineiras e fibras. Não deve ser consumido cru, mas fica delicioso em sopas, soufflês, gratinado no forno, em refogados e até mesmo em bolos e compotas. Mas tem um defeito muito grande: é uma chatice para descascar. O chuchu tem um líquido ligeiramente ácido que pode secar a pele das mãos por isso aqui ficam algumas dicas para descascar este alimento difícil. Para descascar o chuchu de maneira rápida e eficaz basta cozinhar o chuchu com casca numa panela com água e sal durante 20 minutos e retirar-lhe a pele após estar cozido. Se preferirem descascá-lo em cru, devem fazê-lo debaixo da torneira com água fria corrente, para não ficarem com as mãos cortadas.

4. COUVE CHINESA

A couve chinesa é uma das minhas couves favoritas: todos os benefícios nutricionais e terapêuticos das couves com um sabor suave, nada amargo e até ligeiramente doce. Experimentem esta receita de couve chinesa com molho de tomate agridoce! É uma delícia!

5. COUVE RÁBANO

Filho de um nabo e de uma couve, este alimento com ar de extra-terrestre é uma delícia e é super polivante. Com um sabor entre um nabo doce e uma maçã suculenta, a couve rábano fica deliciosa crua numa salada, mas também fica fantástico em sopas, guisados, salteados ou assados no forno. Saibam mais sobre este estranho alimento neste artigo do Di-Frent.

6. MIZUNA

A couve japonesa ou a prima da rúcula como eu costumo chamar, a mizuna é uma hortaliça de folhas verdes, ligeiramente amargas e picantes com um sabor único e especial. Fica deliciosa crua nas saladas e fica fantástica em caldos de inspiração oriental ou nacional. Descubram mais sobre esta folha tão nutritiva e deliciosa mas tão desconhecida dos portugueses neste artigo sobre a mizuna.

7. PASTINACA

Frita, assada, salteada, crua, cozida, em sopas, em jardineiras, em assados, em guisados, em bolos…. Se não conhecem este alimento fantástico não imaginam o que estão a perder. A pastinaca é uma prima da cenoura, pouco conhecida em Portugal mas muito cultivada na zona da Covilhã. Esta espécie de cenoura branca tem um sabor fresco e muito doce, com um travo a anis e a hortelã e quando é cozinhada no forno fica com um ligeiro travo a avelã e a nozes. Confusos? Nada temam pois assim que experimentarem o sabor inesquecível da pastinaca nunca mais vão querer outra coisa! Conheçam mais informações sobre esta maravilha da natureza neste artigo do Di-Frent. 

8. RUTABAGA

Outra filha de um nabo e de uma couve, a rutabaga saiu ao pai e basicamente é um nabo maior com um ligeiro sabor a couve. Perfeita para comer em purés cremosos ou em sopas ricas e intensas, a rutabaga é fácil de encontrar nos mercados biológicos e é muito fácil de cozinhar tal e qual o seu pai nabo.

9. ANONA

A anona é uma fruta ainda pouco apreciada pelos portugueses, mas é bastante cultivada e conhecida na Madeira. A sua polpa branca é extremamente doce, suave e cremosa, e o seu sabor é semelhante a uma banana com um toquezinho de baunilha, um toquezinho de ananás e um toquezinho de coco. Só tem um problemas, tem imensos caroços, mas o sabor vale a pena o trabalho.

10. CASTANHA

Não vou dizer muito sobre as castanhas mas posso dizer que esta receita de pizza doce de castanhas e cacau é uma perdição.

11. DIÓSPIRO

D-I-Ó-S-P-I-R-O! Ai que suspiro! É a minha fruta favorita do outono e passo o ano inteiro a desejar voltar a encontrar dióspiros nas bancas dos mercados. Gostos dos dióspiros moles que como com uma colher e gosto dos dióspiros de roer que como à dentada e nas saladas! Hum que delícia! Gosto de todos os tipos, de todas as formas e feitios, mas têm que estar bem maduros porque não gosto nada quando fico com a boca áspera.

12. KIWI

É a fruta favorita da minha mãe, que é a maior consumidora de kiwis neste planeta! Tem mais vitamina C do que uma laranja e é rico em fibras suaves que auxiliam ao bom funcionamento do intestino. E o kiwi também faz muito bem à alma quando consumido neste receita fantástica e aconchegante de bolo de kiwi e mel. Fantástico!

Copiar é feio! O conteúdo deste site está protegido!

Este site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência de utilização. Mais informações.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close