Como o diabo foge da cruz

Se esta não é a primeira receita que lêem do Di-Frent, já perceberam que eu tenho várias intolerâncias alimentares. Sou intolerante à lactose desde muito nova, sou celíaca portanto fujo do glúten como o diabo foge da cruz, e tenho outra doença auto-imune de carácter hormonal, então fujo da soja como os vampiros fogem do alho. Os vampiros fazem mal em fugir do alho porque o alho é um super-alimento, já eu faço bem em fugir da soja porque a soja é rica em fitoestrogénios e baralha-me as hormonas todas.

Se existe coisa que eu gosto nas minhas comidas de inverno é de que sejam bem quentinhas e cremosas, e eu adoro uma carne picada bem cremosa! Para a carne ficar com um cremezinho gostoso normalmente junta-se um pacote de natas! Mas visto que natas é uma palavra proibida no meu vocabulário, tive que arranjar uma alternativa Di-Frent para as natas.
Creme culinário vegetal: sim o nome é diferente, é mais comprido, parece muito esquisito mas nem é assim tanto. O creme culinário vegetal é feito com os mesmos ingredientes das bebidas ou leites vegetais: água e arroz ou aveia ou outro cereal, ao qual se adiciona uma farinha ou uma goma para ficar mais espesso e já está! Solução vegetal e saborosa para substituir as natas e fugir da lactose!

A vida precisa de um bocadinho de cor

Sou apaixonada por todos os produtos de uma agricultura biológica. Cresci no meio do campo, rodeada de hortas e pomares, conheço todo o processo desde a semente até à colheita, e um dos meus alimentos preferidos de ver na horta é o tomate.
Adoro ver a maneira como eles crescem enroladinhos às canas, e adoro aquele sabor doce e sumarento de um bom tomate biológico, porque aqueles tomates sem sabor, sem cor, sem sumo, que se esfarelam todos na boca, sim aqueles que se compram no supermercado nem deveriam ser chamados de tomates. Para quem ainda não acredita que a agricultura biológica tem uma razão de ser, aconselho-os a experimentar a diferença entre o tomate biológico e o tomate de agricultura convencional num dia quente de verão. Sim, vão ter que esperar até ao próximo verão para poder saborear tomates, porque a mãe Natureza é que sabe quando as coisas estão prontas.

Mas enquanto enquanto não há tomates frescos, cozinho tomates desidratados! E os meus favoritos são os tomates-cerejas: tão doces, pequeninos e fofinhos!
E a combinação destes pequeninos com a carne picada e com o creme culinário vegetal…. Humm que maravilha!

Batata-doce recheada com carne picada e cogumelos shiitake

4 pessoas | 1 hora e 15 minutos | Exibicionista

INGREDIENTES

+ 4 batatas doces
600 g de carne picada
400 g de cogumelos shiitake
200 g de couve-kale
2 dentes de alho
3 cebolinhas
10 a 12 tomates cereja desidratado
1 pacote de 200ml de creme culinário vegetal de aveia ou arroz
1/2 colher de café de noz-moscada e 1 colher de chá de canela
sal e pimenta q.b
azeite e coentros q.b

OPCIONAL: 2 pimentos-cereja desidratado (pequeninos e picantes)

INSTRUÇÕES

1. Lavar muito bem as batatas-doces, embrulhar as batatas-doces em papel de alumínio ou vegetal e levar ao forno a 180º durante 15 minutos.
2. Cortar as cebolinhas, esmagar os dentes de alho, e refogar tudo numa frigideira com um pouco de azeite. Juntar os cogumelos shiitake limpos e cortados aos pedaços e deixar cozinhar.
3. Quando os cogumelos estiverem quase cozinhados, adicionar a carne picada. Temperar com sal e deixar cozinhar durante 5 minutos.
4. Lavar e arranjar as folhas de couve-kale, retirando os talos. Picar a couve-kale e adicionar à frigideira, juntamente com os pimentos e os tomates cereja. Deixar cozinhar até a couve ficar tenra.
5. Assim que a couve ficar tenra, adicionar o creme culinário, rectificar o tempero de sal e adicionar uma pitada de pimenta, a noz-moscada e a canela. Mexer bem até os temperos incorporarem no creme culinário, retirar do lume e reservar.
6. Retirar as batatas-doces do forno, cortar as batatas ao meio e colocar as batatas num tabuleiro. Rechear as batatas com a mistura de carne picada e cogumelos, e levar as batatas-doces novamente ao forno durante mais 5 a 10 minutos para terminar a cozedura.
7. Decorar com algumas folhas de coentros só para embelezar a batata-doce!

Receita elaborada com ingredientes da Quinta da Pedra Branca

Copiar é feio! O conteúdo deste site está protegido!

Este site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência de utilização. Mais informações.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close