A falta que o glúten não faz

Já não como nem cozinho glúten há vários anos. Antes mesmo de ter a confirmação que era celíaca, já notava perfeitamente as diferenças no meu corpo quando consumia glúten, portanto pães e bolos é algo que já não cozinho com regularidade.

Não sou fã das misturas de farinhas sem glúten de pacote, a maior parte das composições são basicamente só amidos, o que quer dizer que as farinhas são praticamente compostas apenas por açúcar. Também me faz confusão ver que quase todas as misturas têm ingredientes que podem ser inflamatórios, como a farinha de soja, a goma xantana, a goma guar, e outros espessantes e ingredientes que nem sem pronunciar.
Eu percebo perfeitamente a razão pela qual estes ingredientes se encontram na composição das farinhas, a sua função é de tentar substituir o glúten, atribuindo alguma estrutura aos bolos e pães sem glúten. Mas a verdade é que todas as pessoas que já cozinharam com farinhas sem glúten sabem perfeitamente que, mesmo com a ajuda destes ingredientes mágicos, nem sempre as farinhas funcionam e na maior parte das vezes os bolos ou pães saem mal e isso é muito frustrante.

Tempo de sobra

Não gosto de pensar no intervalo de tempo em que um alimento é processado, embalado, transportado e guardado numa prateleira de supermercado até eu o comprar. E não me posso esquecer do tempo em que esse alimento está na prateleira da minha despensa à espera que eu lhe dê uso.

Não acredito que o alimento continue a preservar qualquer tipo de nutriente quando podem se passar meses entre o momento em que se processa o alimento até ele me chegar à mesa. Eu prefiro fazer as minhas farinhas no momento em que as vou utilizar, mas isso é outra história ou como quem diz outro artigo.

Mas quando se trabalha na cozinha a criar receitas, e quando a criatividade dispara não dá para parar. Andava a pesquisar receitas com brócolos quando me lembrei de um bolo salgado que fazia quando ainda comia glúten. Quando me lembro das receitas que fazia com farinhas com glúten e fico com vontade de as recriar não descanso até conseguir acertar.

As farinhas sem glúten são o meu calcanhar de aquiles, por vezes tenho que fazer várias experiências para acertar com os ingredientes, mas com esta receita foi à primeira. Fui à despensa, tirei o meu frasco com mistura de farinhas sem glúten que já tinha preparado a algum tempo atrás e fui directa para a cozinha. Só parei quando a casa inteira ficou a cheirar a bolo!

Bolo salgado de brócolos, atum e azeitonas

4 pessoas | 55 minutos | Trabalho q.b.
COM FRUTOS SECOS | COM OVOS | SEM GLÚTEN | SEM LACTOSE | SEM SOJA

INGREDIENTES

+ 500 g de brócolos
1 cebola
3 colheres de sopa de azeite
+ 200 ml de bebida vegetal de amêndoa + 1 colher de sopa de farinha *
4 ovos
250 g de farinha sem glúten * + 1 colher de sopa de fermento em pó
450 ml de bebida vegetal de amêndoa
+ 150 ml de azeite
sal e pimenta q.b

* mistura de farinha sem glúten: 100g farinha de arroz + 50g farinha de trigo sarraceno + 50 g amido de milho + 50g de fécula de batata

INSTRUÇÕES

1. Lavar e cortar os brócolos. Cozer os brócolos durante 5 minutos, escorrer e reservar.
2. Cortar uma cebola aos cubos pequenos e refogar em 3 colheres de azeite. Quando a cebola estiver dourada, acrescentar os brócolos e deixar refogar durante 5 minutos. Dissolver a colher de sopa de farinha nos 2oo ml de bebida vegetal, e acrescentar aos brócolos. Deixar ferver, mexendo sempre até ficar uma mistura cremosa. Retirar do lume, temperar com sal e pimenta e reservar.
3. Adicionar os ovos, a farinha com o fermento em pó, os 450 ml de bebida vegetal, o azeite, e uma boa pitada de sal numa liquidificadora ou numa taça misturadora da varinha mágica. Misturar tudo até ficar uma massa líquida mas cremosa e uniformemente misturada.
4. Colocar metade da massa numa forma de bolo previamente untada, colocar o atum escorrido por cima da massa, adicionar as azeitonas por cima do atum e por fim adicionar os brócolos cremosos. Acrescentar o resto da massa por cima dos brócolos e levar a cozer a 180ºC num forno pré-aquecido por aproximadamente 40 minutos. Verificar a cozedura do bolo com um palito.

Receita elaborada com ingredientes da Quinta da Pedra Branca

Copiar é feio! O conteúdo deste site está protegido!

Este site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência de utilização. Mais informações.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close